segunda-feira, 9 de agosto de 2010

A questão baleeira

Baleias-piloto mortas no dia 23 de julho de 2010 nas Ilhas Faroes.
Fonte: http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2010/07/baleias-piloto-sao-cacadas-em-arquipelago-na-dinamarca.html
.
__________________________________________

Buenas gurizada!
Lendo um tópico no blog de um amigo (aproveitando pra fazer uma propaganda, recomendo!) sobre um “massacre” de baleias-piloto nas Ilhas Faroes (Dinamarca) denunciado pela Sea Shepherd, no comentário acabei escrevendo uma baita payada, um pouco provocativa talvez, e decidi colocar aqui no Adaga:
__________________________________________

Dando uma pesquisada na rede acabei encontrando várias coisas... Me baseio também em alguns tópicos da disciplina de Manejo de Fauna Silvestre ministrada pelo professor Ignacio Moreno da UFRGS.

A Sea Shepherd é uma organização estadunidense, com fortes ações contra os navios baleeiros. A caça de baleias tem um papel socioeconômico bastante importante no norte da Europa e no Japão. Existem muitos que pensam que essa organização também serviria como estratégia econômica dos EUA contra esses outros países. Teorias da conspiração a parte, eu não duvido nem um pouco disso.

Os habitantes das Ilhas Faroes realizaram um massacre EM MASSA das baleias-piloto (que, apesar do nome, são da família dos golfinhos, Delphinidae)? Vamos aos números: 236 animais mortos entre mães, filhotes, machos, grávidas... Segundo estimativas da IWC (International Whaling Commission), ICES (International Council for the Exploration of the Sea) e NAMMCO (North Atlantic Marine Mammal Commission) a população de baleias-piloto do leste do atlântico norte (onde se localizam as Ilhas Faroes) é de 778 000. O "massacre" teria matado 0,03% da população! Insignificante... Sendo um pouco mais preciso, a estimativa para os arredores das Ilhas Faroes seria de 100 000 indivíduos. Nesse caso, 0,236% da população. O impacto continua sendo muito baixo.

Na página da IUCN (que classifica a baleia-piloto em "Dados insuficientes" pela possibilidade de ser mais de uma espécie) os pesquisadores colocam que os únicos lugares que existe a caça dessas baleias são na Groelândia e nas Ilhas Faroes e que essa captura vem desde o século 9, mas aparentemente não vem causando declínio populacional desde aquela época. Existem dados estatísticos de captura desde 1584, mostrando uma média de captura por ano de 850 baleias e indicando que a caça é provavelmente sustentável. Na Groelândia a caça é relativamente menor.

Faz parte da cultura desses povos comerem carne de baleia. Imagina se vem um hindu aqui no Brasil e nos proíbe de comer carne de vaca porque é sagrado!

É muito fácil pra nós olhar pra o problema dos outros e julgar que é errado. Temos que cuidar pra não cair na trova dos outros também. Quem nunca mandou um correio-e sobre o “roubo” de ovos de tartarugas marinhas ou a matança de focas no Canadá, sem nem mesmo saber o que realmente se passa? Porque não olhamos nossos problemas antes de julgar os outros? Nós matamos 12 milhões de aves por ano devido ao tráfico de animais silvestres, porque só uma em cada dez sobrevive! E se o Japão invadisse a Amazônia porque estamos aniquilando com ela?

Não quero de maneira nenhuma dizer que não devemos nos preocupar com os problemas do mundo, mas acho que devemos começar olhando pra nós. Da mesma maneira, não quero justificar a sobreexploração das populações de baleias, algumas das quais tiveram graves declínios durante o século passado e talvez não consigam mais se restabelecer. Só digo que temos que cuidar e estudar caso a caso, buscando um uso sustentável desses recursos (ao contrário do que fazem muitos navios baleeiros).

A questão da maneira como matam os animais é um pouco mais complicada. Concordo que isso deve ser otimizado, privando o animal ao máximo de dor e sofrimento. No portal do G1 encontrei uma notícia muito parecida dizendo que tinham sido mais de 120 baleias e contava: "No passado, eles usavam lanças e arpões, mas hoje usam equipamentos modernos, como facas especiais, cordas e bastões de medição." O sentimento de pena com as baleias é válido, mas não são todos que o possuem e muitos deles sobrevivem disso (principalmente as populações locais, não as grandes empresas).

Sem dúvida deve existir um grande cuidado e um controle rigoroso do uso desses recursos, assim como dos pesqueiros. Mas, pra terminar, deixo uma pergunta pra qual não tenho a resposta:

Quem é que deve determinar o quanto algum país deve caçar de baleias? O próprio governo? A própria população que quer usar esses recursos? Os EUA? Todo mundo? É uma questão um tanto complicada...

5 comentários:

  1. Muy bueno tu artículo.
    En cuanto a tu pregunta final, la ONU: http://www.un.org/Depts/los/index.htm

    ResponderExcluir
  2. Acho ridículo uma sociedade se mobilizar contra uma atividade de caça sustentável, enquanto investe valiosos bilhões e bilhões em pecuária.

    O que é mais adequado: caçar um animal que teve uma vida livre em seu ambiente natural ou confinar galinhas sob uma dieta engordante para um abate ligeiro?

    Sinceramente, acho muito mais cruel uma vida trágica do que uma morte trágica.

    ResponderExcluir
  3. Nada científico esse comentário, só um desabafo...

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Gostaria de ser menos vulnerável a vossas ideologias.

    Concordo com todos (ou seja, discordo de todos)

    ResponderExcluir